Ir direto para menu de acessibilidade.


Ato nº 1721, de 17 de fevereiro de 2023

Publicado: Quinta, 20 Abril 2023 18:06 | Última atualização: Quarta, 26 Abril 2023 14:05 | Acessos: 413
 

 

 

Observação: Este texto não substitui o publicado no Boletim de Serviço Eletrônico de 20/4/2023.

 

O SUPERINTENDENTE DE OUTORGA E RECURSOS À PRESTAÇÃO - ANATEL, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pela Portaria nº 419, de 24 de maio de 2013, e

CONSIDERANDO a competência dada pelos Incisos XIII e XIV do Art. 19 da Lei nº 9.472/97 – Lei Geral de Telecomunicações;

CONSIDERANDO que os Requisitos Técnicos estabelecem os parâmetros e critérios técnicos verificados na Avaliação da Conformidade de um ou mais tipos de produto para telecomunicações, nos termos do art. 22 do Regulamento para Avaliação da Conformidade e Homologação de Produtos para Telecomunicações, aprovado pela Resolução nº 715, de 23 de outubro de 2019;

CONSIDERANDO o constante dos autos do processo nº 53500.066738/2021-06  ;

RESOLVE:

Art. 1º Aprovar os requisitos técnicos para avaliação da conformidade de fios telefônicos dos tipos DG, externo binado FEB, FE, FE-AA, FE-AA-80-PEAD-X e FI, conforme o anexo a este Ato.

Art. 2º Revogar, 180 dias após a data da publicação deste Ato, os requisitos técnicos relativos à avaliação da conformidade de Fio Telefônico Externo (FE), aprovados pelo Ato nº 413, de 21 de janeiro de 2018;

Art. 3º Revogar, 180 dias após a data da publicação deste Ato, os requisitos técnicos relativos à avaliação da conformidade de Fio Telefônico Interno (FI), aprovados pelo Ato nº 677, de 29 de janeiro de 2018;

Art. 4º Revogar, 180 dias após a data da publicação deste Ato, os requisitos técnicos relativos à avaliação da conformidade de Fio Telefônico Externo Binado (FEB), aprovados pelo Ato nº 678, de 29 de janeiro de 2018.

Art. 5º Este Ato entra em vigor na data de sua publicação no Boletim de Serviços Eletrônico da Anatel, sendo mandatória a aplicação do seu anexo 180 dias após a data de sua publicação.

 

SIDNEY AZEREDO NINCE
Superintendente de Outorga e Recursos à Prestação, Substituto

 

ANEXO AO ATO Nº 1721, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2023

REQUISITOS TÉCNICOS PARA A AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DE FIOS TELEFÔNICOS

1. OBJETIVO

1.1 Este documento estabelece os requisitos mínimos a serem demonstrados na avaliação da conformidade de fios telefônicos, para efeito de homologação junto à Agência Nacional de Telecomunicações.

2. ABRANGÊNCIA

2.1. Este documento se aplica aos fios telefônicos dos tipos DG, externo binado FEB, FE, FE-AA, FE-AA-80-PEAD-X e FI.

3. REFERÊNCIAS

3.1. Os documentos relacionados a seguir são indispensáveis à aplicação deste documento. Para referências datadas, aplicam-se somente as edições citadas. Para referências não datadas, aplicam-se as edições mais recentes do referido documento (incluindo emendas).

3.1.1. ABNT NBR 6810:2010 – Fios e cabos elétricos - Tração a ruptura em componentes metálicos - Método de ensaio;

3.1.2. ABNT NBR 6814:1986 – Fios e cabos elétricos - Ensaio de resistência elétrica - Método de ensaio;

3.1.3. ABNT NBR 8121:2021 – Cabos de fios de aço revestidos de cobre, nus, para fins elétricos – Especificação;

3.1.4. ABNT NBR 9058:1999 – Sistemas de ramais prediais de água - Tubos de polietileno PE - Determinação do teor de negro-de-fumo;

3.1.5. ABNT NBR 9128:2009 – Fios e cabos telefônicos - Ensaio de capacitância mútua - Método de ensaio;

3.1.6. ABNT NBR 9130:2009 – Fios e cabos telefônicos - Ensaio de desequilíbrio resistivo - Método de ensaio;

3.1.7. ABNT NBR 9133:2011 – Fios e cabos telefônicos - Atenuação do sinal de transmissão - Método de ensaio;

3.1.8. ABNT NBR 9141:1998 – Cabos ópticos e fios e cabos telefônicos - Ensaio de tração e alongamento à ruptura - Método de ensaio;

3.1.9. ABNT NBR 9142:1999 – Fios e cabos telefônicos - Ensaio de resistência à fissuração - Método de ensaio;

3.1.10. ABNT NBR 9143:1999 – Fios e cabos telefônicos - Ensaio de contração - Método de ensaio;

3.1.11. ABNT NBR 9145:2008 – Fios e cabos telefônicos - Ensaio de resistência de isolamento - Método de ensaio;

3.1.12. ABNT NBR 9146:2012 – Fios e cabos telefônicos - Ensaio de tensão elétrica amplicada - Método de ensaio;

3.1.13. ABNT NBR 9147:2014 – Fios e cabos para telecomunicações – Fluidez - Método de ensaio;

3.1.14. ABNT NBR 9148:1998 – Cabos ópticos e fios e cabos telefônicos - Ensaio de envelhecimento acelerado - Método de ensaio;

3.1.15. ABNT NBR 9150:2013 – Fios e cabos telefônicos - Ensaio de separação das veias - Método de ensaio;

3.1.16. ABNT NBR 13977:1997 – Cabos ópticos - Determinação do tempo de indução oxidativa (OIT) - Método de ensaio;

3.1.17. ABNT NBR 14705:2010 – Cabos internos para telecomunicações - Classificação quanto ao comportamento frente à chama;

3.1.18. ABNT NBR 14706:2001 – Cabos ópticos, fios e cabos telefônicos - Determinação do coeficiente de absorção de ultravioleta - Método de ensaio;

3.1.19. ABNT NBRNM IEC 60811-1-1:2001 – Métodos de ensaios comuns para os materiais de isolação e de cobertura de cabos elétricos – Parte 1: Métodos para aplicação geral – Capitulo 1: Medição de espessuras e dimensões externas – Ensaios para a determinação das propriedades mecânicas;

3.1.20. ABNT NBRNM IEC 60811-1-4:2003 – Métodos de ensaios comuns para os materiais de isolação e de cobertura de cabos elétricos e ópticos - Parte 1: Métodos para aplicação geral - Capítulo 4: Ensaios a baixas temperaturas;

3.1.21. ASTM G155:2021 – Standard Practice for Operating Xenon Arc Light Apparatus for Exposure of Non-Metallic Materials.

4. DEFINIÇÕES

4.1. Para fins deste documento, são adotadas as definições a seguir relacionadas:

4.1.1. Alongamento à ruptura dos condutores: alongamento percentual medido no instante da ruptura do condutor.

4.1.2. Alongamento à ruptura do isolamento: alongamento percentual medido no instante da ruptura da isolação.

4.1.3. Atenuação do sinal de transmissão: diminuição progressiva de potência do sinal em sua propagação.

4.1.4. Desequilíbrio resistivo: variação percentual da resistência elétrica medida entre dois condutores componentes de um par.

4.1.5. Fio telefônico DG: conjunto constituído por veias singelas ou mais veias torcidas entre si, até um máximo de 6 veias de cobre eletrolítico maciço, estanhado, com isolação em PVC.

4.1.6. Fio telefônico externo binado FEB: conjunto constituído por um par de condutores de cobre eletrolítico estanhados, isolados individualmente por material polimérico, protegido por um revestimento polimérico contendo elemento de sustentação metálico ou dielétrico.

4.1.7. ​Fio telefônico FE: conjunto constituído por dois condutores de liga de cobre em paralelo com diâmetro nominal de 1,00 ou 1,60mm e isolados com PVC, polietileno ou copolímero.

4.1.8. ​Fio telefônico FE-AA: conjunto constituído por dois condutores de cobre com alma de aço em paralelo com diâmetro nominal de 0,80, 1,00 e 1,60mm e isolados com PVC, polietileno ou copolímero.

4.1.9. ​Fio telefônico FE-AA-80-PEAD-X: conjunto constituído por dois condutores de cobre com alma de aço em paralelo com diâmetro nominal de 0,80mm e isolados com polietileno de alta densidade (PEAD). Possui características elétricas para transmissão em altas frequências (xDSL).​

​4.1.10. Fio telefônico FI: conjunto constituído por duas veias torcidas, de cobre eletrolítico maciço, estanhado, com isolação de cloreto de polivinila (PVC).​

4.1.11. Resistência ao intemperismo: avaliação da estabilidade à luz ultravioleta do revestimento externo do fio, acompanhada pela variação do seu índice de fluidez.

4.1.12. Resistência à tração e alongamento à ruptura do revestimento externo: quociente da carga máxima observada na ruptura pela seção transversal inicial do revestimento e o alongamento percentual medido neste instante.

4.1.13. Resistência do isolamento: resistência elétrica medida entre duas partes condutoras separadas por materiais isolantes.

4.1.14. Retardância à chama: característica intrínseca de desempenho do material que, sob condições de queima pré-determinadas, a chama se extingue quando da retirada da fonte de calor.

4.1.15. Tensão elétrica aplicada: tensão elétrica máxima que um dielétrico suporta sem alterações em sua estrutura molecular.

4.1.16. Tempo de indução oxidativa (OIT, Oxidative Induction Time): tempo do processo de oxidação induzida de um material submetido à alta temperatura e à atmosfera oxidativa.

5. REQUISITOS GERAIS

5.1. Designação

5.1.1. Os fios telefônicos externos são designados pelas iniciais FE, precedendo o número centesimal do diâmetro nominal do condutor. Por exemplo, para fios telefônicos de diâmetro nominal de 1,00 mm, a designação será FE-100. Quando o condutor utilizado é o cobre com alma de aço, são adicionadas as letras AA e a designação se torna FE-AA-80, para o caso do exemplo anterior de um condutor de 0,80 mm de diâmetro. O fio FE para aplicação em altas frequências (xDSL) tem a designação FE-AA-80-PEAD-X.

5.1.2. Os fios telefônicos externos binados - FEB são designados pelo código FEB-X-Y, onde X é o material do elemento de sustentação (DO: Dielétrico Figura 8; M: Metálico; DC: Dielétrico Circular) e Y é o número centesimal do diâmetro nominal do condutor.

5.1.3. Os fios telefônicos internos FI são designados pelas iniciais FI precedendo o número centesimal do diâmetro nominal do condutor (60: 0,60mm) e, dependendo da espessura da isolação, seguido da letra R, do seguinte modo: FI-60 ou FI-60-R.

5.1.4. Os fios telefônicos internos DG são designados pelas iniciais FDG-X-Y, onde X é o número centesimal do diâmetro nominal do condutor (50: 0,50mm ou 60: 0,60mm) e Y é o número de veias do fio (de 1 a 6).​

5.2. Condutor

5.2.1. Para os fios FE cada condutor deve ser constituído por um fio maciço de liga de cobre-estanho ou cobre-cádmio com diâmetro nominal de 1,00 ou 1,60 mm.

5.2.2. Para os fios FE-AA cada condutor deve ser constituído por um fio maciço de cobre com alma de aço de diâmetro nominal de 0,80, 1,00 ou 1,60 mm.

5.2.3. A superfície do condutor não deve apresentar fissuras, escamas, estrias, rebarbas, asperezas ou inclusões.

5.2.4. Não são permitidas emendas nos condutores dos fios FE.

5.2.5. Os condutores utilizados na fabricação do fio FE-AA-80-PEAD-X devem estar conforme a norma ABNT NBR 8121.

5.2.6. O diâmetro mínimo dos condutores é limitado pela resistência elétrica máxima.

5.2.7. Cada condutor do fio FE-AA-80-PEAD-X deve ser constituído por um fio sólido de aço recoberto por uma camada contínua de cobre metalurgicamente aderida por processo de caldeamento cobrindo totalmente o núcleo de aço.

5.2.8. Cada condutor do fio FEB deve ser constituído por um fio de cobre eletrolítico, maciço, estanhado, de 0,65 ou 0,90 mm de diâmetro nominal, sendo seu diâmetro mínimo limitado pela resistência elétrica máxima.

5.2.9. O condutor do fio FEB pode ter emendas efetuadas por solda a frio ou a quente, desde que as características elétricas e mecânicas satisfaçam os requisitos deste documento.

5.2.10. Cada condutor do fio FI deve ser constituído por um fio de cobre eletrolítico, maciço, estanhado, de 0,60 mm de diâmetro nominal, sendo seu diâmetro mínimo limitado pela resistência elétrica máxima.

5.2.11. Cada condutor do fio FDG deve ser constituído por um fio de cobre eletrolítico, maciço, estanhado, de 0,50 ou 0,60 mm de diâmetro nominal, sendo seu diâmetro mínimo limitado pela resistência elétrica máxima.

5.3. ​Isolação

5.3.1. A isolação dos fios FE deve ser constituída por uma camada de composto de cloreto de polivinila (PVC), polietileno (PE) ou copolímero, satisfazendo os requisitos deste documento.

5.3.2. A camada de material isolante aplicada sobre os condutores deve ser contínua, uniforme e homogênea, ao longo de todo o comprimento do condutor.

5.3.3. A isolação do fio FE-AA-80-PEAD-X deve ser com polietileno de alta densidade (PEAD) na cor preta.

5.3.4. Não são permitidos reparos na isolação dos condutores durante o processo de fabricação.

5.3.5. O isolamento do fio FE-AA-80-PEAD-X não deverá se contrair ao tempo em situação de estocagem em almoxarifado em repouso, durante ou mesmo após sua instalação em campo, devendo manter sua condição original.

5.3.6. A isolação dos fios FI e FDG deve ser constituída por uma camada de composto de cloreto de polivinila (PVC).

5.4. Identificação

5.4.1. As veias do fio FE-AA-80-PEAD-X devem ser de cor preta identificadas da seguinte forma:

a) Veia “a”, com a isolação perfeitamente lisa;

b) Veia “b”, com a isolação apresentando ao longo de todo o seu comprimento uma saliência sem aresta viva, de cerca de 0,5 mm de altura, sem alterar as características elétricas e mecânicas do fio.

5.4.2. Sobre o isolamento dos fios FE e FEB, em intervalos regulares de até 1 m, devem ser marcados de forma legível e permanente os seguintes dados:

a) Nome, marca ou código do fabricante e/ou marca comercial do requerente da homologação, quando devidamente autorizado pelo fabricante (detentor da tecnologia);

b) Nome ou código do produto (exemplo: FE-100, FE-AA-80-PEAD-X, FEB-X-Y, etc);

c) Ano de fabricação;

d) Marcação sequencial métrica, com uma precisão de leitura de -1,5% ao longo de todo o lance;

e) A marcação deve ser feita com algarismos de altura, forma, espaçamento e método de gravação ou impressão adequada;

f) Identificação do código da de homologação Anatel, conforme item 9.

5.4.3. Os tipos de fios FI e DG devem conter em sua embalagem, de forma legível, os seguintes dados:

a) Nome, marca ou código do fabricante além de, opcionalmente, marca comercial do requerente da homologação, quando devidamente autorizado pelo fabricante (detentor da tecnologia).

b) Nome ou código do produto (Exemplo: FE-100, FE-AA-80-PEAD-X, FEB-X-Y, etc.);

c) Ano de fabricação;

d) Identificação do código de homologação Anatel, conforme item 9.

6. REQUISITOS ESPECÍFICOS

6.1. Requisitos Elétricos

6.1.1. A resistência elétrica máxima de cada condutor, dada em Ohms [Ω], em corrente contínua e a 20°C, quando ensaiado conforme norma ABNT NBR 6814, deve ser:

a) 38,9 Ω/km para o fio FE-100;

b) 15,2 Ω/km para o fio FE-160;

c) 113 Ω/km para o fio FE-AA-80;

d) 73 Ω/km para o fio FE-AA-100;

e) 30 Ω/km para o fio FE-AA-160;

f) 105 Ω/km para o fio FE-AA-80-PEAD-X;

g) 57,9 Ω/km para o fio FEB 65;

h) 30,2 Ω/km para o fio FEB 90;

i) 68 Ω/km para o fio FI 60;

j) 92,0 Ω/km para o fio FDG 50 singelo, 1 veia; 95,0 Ω/km para o fio FDG 50 múltiplo, acima de uma veia;

k) 64,0 Ω/km para o fio FDG 60 singelo, 1 veia; 66,0 Ω/km para o fio FDG 60 múltiplo, acima de uma veia.

6.1.1.1. A resistência elétrica de qualquer pedaço de condutor do fio FEB, do fio FI ou do fio FDG com 150 mm de comprimento contendo emenda não pode ser superior a 105% da resistência de um pedaço adjacente de igual comprimento que não contenha emenda.

6.1.2. O desequilíbrio resistivo em corrente contínua entre os dois condutores do fio FE-AA-80-PEAD-X e do fio FEB deve ser, no máximo, 7% quando ensaiado conforme norma ABNT NBR 9130.

6.1.3. A resistência de isolamento entre cada condutor e água a 20°C + 2°C, quando ensaiado conforme norma ABNT NBR 9145, deve ser no mínimo de:

a) 1.000 MΩ.km para o fio FE com isolamento PVC;

b) 10.000 MΩ.km para o fio FE com isolamento PE/PEAD;

c) 15.000 MΩ.km para o fio FEB;

d) 200 MΩ.km para o fio FI; e

e) 1.000 MΩ.km para o fio FDG.

6.1.4. O isolamento entre cada condutor e a água para o fio FE, fio FEB, fio FI e fio FDG deve suportar, sem ruptura, por no mínimo um minuto, um potencial de corrente contínua de valor não inferior a 1.500 VCC (tensão contínua) ou 1.100 VCA (tensão alternada em 60Hz), quando ensaiado conforme norma ABNT NBR 9146.

6.1.5. A capacitância mútua do par, quando ensaiada conforme norma ABNT NBR 9128, deve ser de:

a) 48 + 3 nF/km para o fio FE-AA-80-PEAD-X; e

b) 38 + 4 nF/km para o fio FEB.

6.1.5.1. O ensaio deverá ser realizado apenas no rolo.

6.1.6. A atenuação do fio FE-AA-80-PEAD-X deve estar em conformidade com os valores indicados na tabela 1 quando ensaiado conforme norma ABNT NBR 9133.

 

 Tabela 1 — Atenuação.

Frequência [kHz]

Atenuação máxima

[dB/km]

150

10

772

11,5

1.000

12

2.000

14

Observação: Impedância de 125 Ω

​6.2. Requisitos Ambientais

6.2.1. O composto de cloreto de polivinila (PVC) do isolamento dos fios FE quando submetido ao ensaio de envelhecimento acelerado conforme norma ABNT NBR 9148 deve apresentar as características indicadas a seguir:

a) Tração à ruptura: Depreciação máxima de 20%;

b) Alongamento à ruptura: Depreciação máxima de 40%.

6.2.2. Os fios FE-AA-80-PEAD-X e FEB quando submetidos ao teste de intemperismo durante 2160 horas conforme norma ASTM-G-155, ciclo 1, não devem apresentar trincas ou rachaduras no revestimento externo e a variação do índice de fluidez em relação ao valor original não deve ser superior a 25%, conforme norma ABNT NBR 9147.

6.2.2.1. Para o fio FEB a variação do índice de fluidez do revestimento externo em relação ao valor original não deve ser superior a 25%.

6.2.3. O fio FE-AA-80-PEAD-X não deve apresentar rachaduras ou trincas no revestimento externo quando submetido ao ensaio de dobramento a frio a temperatura de -10o+ 1oC , conforme norma ABNT NBRNM IEC 60811-1-4.

6.2.4. O material do isolamento do fio FE-AA-80-PEAD-X, quando submetido ao ensaio de contração conforme norma ABNT NBR 9143, não deve apresentar uma contração superior a 5%.

6.2.5. O material do isolamento do fio FE-AA-80-PEAD-X, após submetido a 70°C durante 336 horas em uma estufa com circulação de ar, deve apresentar o valor mínimo de tempo de indução oxidativa da isolação a 200°C + 0,5°C de 20 minutos conforme norma ABNT NBR 13977.

6.2.6. Os fios telefônicos FI e FDG, quando submetidos ao ensaio de comportamento frente à chama conforme norma ABNT NBR 14705, devem ser classificados como CMX.

6.3. ​Requisitos Químicos

6.3.1. O teor de negro de fumo do polietileno usado na isolação dos fios FE deve ser no mínimo 2,0% quando ensaiado conforme norma ABNT NBR 9058.

6.3.2. O polietileno usado na isolação dos fios FE não deve apresentar falha em 10 corpos de prova quando submetido ao ensaio de resistência à fissuração durante 24 horas, conforme norma ABNT NBR 9142.

6.3.3. Quando submetido ao ensaio de coeficiente de absorção no UV, o polietileno usado na isolação dos fios FE deve apresentar absorbância mínima de 4000 Abs/cm quando ensaiado conforme norma ABNT NBR 14706.

6.4. ​Requisitos Mecânicos

6.4.1. A tração à ruptura de qualquer parte do condutor após a aplicação da isolação, quando ensaiado conforme norma ABNT NBR 6810, deve ser no mínimo de:

a) 42 kgf para o fio FE-AA-80;

b) 73 kgf para o fio FE-AA-100;

c) 42 kgf para o fio FE-AA-80-PEAD-X.

6.4.2. O alongamento à ruptura dos condutores do fio FE-AA-80-PEAD-X após a aplicação da isolação deve ser de, no mínimo, 0,8% quando ensaiado conforme norma ABNT NBR 6810.

6.4.3. O polietileno utilizado como isolamento dos fios FE deve ter uma resistência mediana mínima a tração à ruptura de 11,7 MPa quando ensaiado conforme norma NBR ABNT 9141.

6.4.3.1. Para o fio FE-AA-80-PEAD-X a resistência a tração do isolamento deve ser de, no mínimo, 16,5 MPa.

6.4.4. O polietileno utilizado como isolamento dos fios FE deve ter um alongamento mediano mínimo à ruptura de 400% quando ensaiado conforme norma NBR ABNT 9141..

6.4.4.1. Para o fio FE-AA-80-PEAD-X o alongamento à ruptura do isolamento deve ser de, no mínimo, 400%.

6.4.5. O fio FE-AA-80-PEAD-X, quando submetido ao ensaio de bipartimento, deve apresentar uma força de separação mínima de 15 N e máxima de 40 N, não devendo apresentar rasgamento do revestimento ou exposição dos condutores do par quando ensaiado conforme norma NBR ABNT 9150.

6.4.6. O rolo de fio FE-AA-80-PEAD-X, quando desenrolado, não deverá apresentar efeito mola. Para verificação desta propriedade, o mesmo deverá ser desenrolado manualmente, através de sua ponta externa junto a uma das faces do rolo, até uma distância de 20 m e solto naturalmente sobre o solo. Durante o desenrolamento as faces do rolo deverão ser invertidas a cada três voltas, para eliminação da torção do eixo do fio. Após alinhamento deste comprimento, não deverá haver retorno nem apresentação de espiras distantes do solo, devendo o fio se apresentar retilíneo sem desvios ao longo de seu comprimento, tanto em seu eixo longitudinal quanto axial. Para realização deste ensaio devem ser seguidos os seguintes procedimentos:

a) Marque no solo um ponto A inicial e um ponto B final distantes 20 metros um do outro;

b) Desembale um rolo do fio;

c) De lado para o ponto A, com o rolo de fio sustentado pelo braço esquerdo, tome com a mão direita a ponta externa do rolo de fio e desenrole três voltas, caminhando no sentido do ponto B. Gire o corpo 180 graus, passe o rolo de fio para o outro braço e desenrole mais três voltas, assim sucessivamente caminhando e soltando o fio, até atingir o ponto B;

d) Prendendo a extremidade inicial sobre o ponto A e tracionando a outra extremidade do fio solto até atingir o ponto B, fixe o fio solto sobre o solo no ponto B, soltando em seguida o fio no ponto A;

e) O afastamento da extremidade inicial do fio em relação ao ponto A deverá ser inferior ou igual a 5%, ou seja, de no máximo 100 cm. Não deverá apresentar espiras com altura superior a 10 cm do solo ao longo do fio.

6.4.7. O condutor de aço cobreado do fio FE-AA-80-PEAD-X, sem material do revestimento, não deverá apresentar fraturas, nem fissuras, trincas ou outras deformações visíveis a olho nu ou ao tato, quando enrolado sobre um mandril de diâmetro 0,80 mm + 0,025 mm ou em torno do próprio condutor por 6 voltas em hélice fechada.

6.4.8. O valor da força da aderência do isolamento ao condutor do fio FE-AA-80-PEAD-X deve estar compreendido entre 30 N e 90 N. Durante o ensaio o condutor não deve deslizar. Para realização deste ensaio devem ser seguidos os seguintes procedimentos:

a) O corpo-de-prova deve ter um comprimento de 150 mm;

b) Com a ajuda de uma lâmina, retirar com cuidado 50 mm de comprimento do isolamento de uma das extremidades do fio, deixando os condutores expostos;

c) Introduzir a extremidade do corpo-de-prova com os condutores expostos no orifício de um dispositivo de retenção do isolamento do fio, conforme figura 1;

d) Fixar o corpo-de-prova na célula de carga e iniciar o ensaio de tração com velocidade constante de 100 mm/min.

Figura 1 — Ensaio de adesão do isolamento do condutor.

 

6.5. Requisitos Dimensionais

6.5.1. O peso nominal dos fios FE deve ser de:

a) 22 kg/km para o fio FE-AA-80;

b) 30 kg/km para o fio FE-AA-100.

6.5.2. As características dimensionais do fio FE-AA-80-PEAD-X devem estar em conformidade com a tabela 2 e atender a figura 2 quando ensaiado conforme norma ABNT NBRNM-IEC 60811-1-1.

Tabela 2 — Dimensionais do fio FE-AA-80-PEAD-X.

Requisito

Valores [mm]

Diâmetro condutor

0,80 (nominal)

Espessura revestimento externo

1,10 (mínimo)

Eixo maior

6,0 a 6,8 (min/max)

Eixo menor

3,0 a 3,5 (min/max)

Comprimento rolo

500 m (nominal)

Marcação métrica sequencial (medir 5 intervalos aleatórios em cada rolo)

1m (-1,5% + sem restrição)

Entre condutores

3,0

 

Figura 2 – Dimensionais do Fio FE-AA-80-PEAD-X

7. VERIFICAÇÃO DA CONFORMIDADE

7.1. Os requisitos específicos dos fios telefônicos estão dispostos na tabela 3.

Tabela 3 — Requisitos Específicos dos Fios Telefônicos.

 

Tipo de Fio Telefônico

Requisitos específicos dos fios telefônicos

FE

FE-AA

FE-AA-80-PEAD-X

FEB

FI

FDG

Resistência elétrica dos condutores

X

X

X

X

X

X

Desequilíbrio resistivo

 

 

X

X

 

 

Resistência de isolamento

X

X

X

X

X

X

Tensão elétrica aplicada

X

X

X

X

X

X

Capacitância mútua

 

 

X

X

 

 

Atenuação

 

 

X

 

 

 

Envelhecimento acelerado

X

X

 

 

 

 

Resistência ao intemperismo

 

 

X

X

 

 

Dobramento a frio

 

 

X

 

 

 

Contração do revestimento externo

 

 

X

 

 

 

Envelhecimento térmico do fio

 

 

X

 

 

 

Comportamento frente à chama

 

 

 

 

X

X

Teor de negro de fumo

X

X

X

 

 

 

Fissuração

X

X

X

 

 

 

Coeficiente de absorção no UV

X

X

X

 

 

 

Tração à ruptura dos condutores

 

X

X

 

 

 

Alongamento à ruptura dos condutores

 

 

X

 

 

 

Resistência à tração do isolamento

X

X

X

 

 

 

Alongamento à ruptura do isolamento

X

X

X

 

 

 

Bipartimento do fio

 

 

X

 

 

 

Resistência ao efeito mola

 

 

X

 

 

 

Ensaio de aderência no condutor de aço cobreado

 

 

X

 

 

 

Ensaio de adesão de isolamento aos condutores

 

 

X

 

 

 

Peso

 

X

 

 

 

 

Dimensionais

 

 

X

 

 

 

 

8. AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE

8.1. Amostragem para os Fios Telefônicos - Para a realização dos ensaios de conformidade em fios telefônicos o fornecedor deve apresentar uma amostra de fio com comprimento determinado pelo agente responsável pela avaliação da conformidade ou laboratório habilitado. Deve ser apresentada uma amostra por tipo de fio limitada à capacidade máxima de fabricação do interessado.

9. IDENTIFICAÇÃO DA HOMOLOGAÇÃO

9.1. A marcação do selo Anatel e a identificação do código de homologação deverão constar na embalagem do produto, em conformidade com o procedimento operacional para marcação da identificação da homologação Anatel em produtos para telecomunicações, anexo ao ato nº 4088, de 31 de julho de 2020.

9.2. Para os fios dos tipos FE e FEB, deverá haver marcações no próprio fio conforme estabelecido no item 5.4 deste requisitos.

Nós protegemos seus dados

Para melhorar a sua experiência na plataforma e prover serviços personalizados, utilizamos cookies. Saiba como usamos seus dados em nosso Aviso de Privacidade. Ao clicar em “Aceitar cookies”, você concorda com os Termos de Serviço e a Política de Privacidade da Anatel e terá acesso a todas as funcionalidades do site.