Ir direto para menu de acessibilidade.
>Legislação > Normas do MC > Portaria nº 139, de 9 março de 1973


Portaria nº 139, de 9 março de 1973

Publicado: Quarta, 14 Março 1973 15:46 | Última atualização: Quinta, 08 Outubro 2020 10:04 | Acessos: 2284
 

Aprovar Normas Técnicas e Jurídicas para Repetição e Retransmissão de Televisão.

 

Observação : Este texto não substitui o publicado no DOU de 14/3/1973.

 

O MINISTRO DE ESTADO DAS COMUNICAÇÕES, no uso de suas atribuições

RESOLVE:

I – Aprovar as NORMAS TÉCNICAS E JURÍDICAS PARA REPETIÇÃO E RETRANSMISSÃO DE TELEVISÃO, que com esta baixa, determinando sua aplicação.

II – Esta Portaria entrará em vigor na data da sua publicação, ficando revogada a Resolução 15/67-CONTEL, de 15 de fevereiro de 1967

 

NORMAS TÉCNICAS PARA REPETIÇÃO E RETRANSMISSÃO DE TELEVISÃO

CAPÍTULO I

Das Definições

Art. 1º - Para os efeitos destas Normas adotar-se-ão as seguintes definições:

I – Retransmissão de Televisão é o serviço destinado a possibilitar a recepção dos sinais da estação geradora, pelo público em geral, em locais não atingidos diretamente pelos mesmos.

II – Estação Retransmissora de Televisão é o conjunto de equipamentos eletrônicos, incluindo as instalações acessórias que, sem produzir programa próprio, pode captar através de estações repetidoras os sons e as imagens oriundas de uma estação geradora e retransmiti-los para a recepção do público em geral.

III – Estação Sub-Retransmissora de Televisão é o conjunto de equipamentos eletrônicos incluindo as instalações acessórias que, sem produzir programa próprio, pode captar diretamente (sem auxílio de repetidoras) de uma estação geradora ou retransmissora, os sons e imagens oriundas da geradora, e retransmiti-los para a recepção do público em geral.

IV – Enlace de Repetidora é o conjunto de estações repetidoras destinadas a transportar os sinais de imagem e som ao longo de uma determinada rota.

V – Serviço de Retransmissão Local é aquele destinado à recepção do público em geral e realizado através de uma estação retransmissora ou sub-retransmissora.

CAPÍTULO II

Da Competência para a Execução

Art. 2º - A repetição de sinais de televisão e o serviço de retransmissão local serão executados pela União, diretamente, ou através de autorização do Departamento Nacional de Telecomunicações: 

a) pelos Estados, Territórios e Distrito Federal;

b) pelos Município;

c) por Universidades;

d) por entidades já concessionárias de serviço de televisão, para retransmitir seus próprios programas;

e) por entidades organizadas para este fim de acordo com os Arts. 82 – 83 – 84 e 86 do Decreto nº 52.795, de 31 de outubro de 1963;

f) por Fundações.

§ 1° - O Poder Concedente considerará preferenciais os projetos relativos a Planos Regionais de Retransmissão.

§ 2° - Os Planos Regionais de Retransmissão deverão ser previamente submetidos ao DENTEL que, em cada caso, considerará a viabilidade e conveniência de serem utilizados os meios portadores dos serviços públicos interurbanos de telecomunicações.

CAPÍTULO III

Das Condições de Outorga

Art. 3° - A autorização para a repetição de sinais de televisão ou para o serviço de retransmissão local será condicionada à apresentação e à aprovação pelo Departamento Nacional de Telecomunicações, de:

a) Comprovação da viabilidade técnica da instalação pretendida, mediante projeto elaborado sob responsabilidade de engenheiro registrado no DENTEL, de acordo com método recomendado no Capítulo V destas Normas;

b) declaração das concessionárias geradoras dos programas a serem retransmitidos de que concordam com a retransmissão de seus programas, durante a vigência da concessão, quando for o caso;

c) demonstração da garantia de continuidade de retransmissão representada:

I – no caso dos Órgãos Federais, pela indicação das fontes dos recursos necessários à instalação, operação e manutenção do serviço;

II – no caso dos Estados, por lei estadual autorizando um determinado Órgão de sua administração a executar o serviço e prevendo os recursos necessários, conforme o disposto no Art. 4º das presentes Normas;

III – no caso de entidades concessionárias de serviços de televisão pela observância do art. 85 do Decreto nº 52.795, de 31 de outubro de 1963;

IV – no caso de entidades previstas no Capítulo II, Art. 2º letra “e”, destas Normas, pela observância do Art. 82 do Decreto mencionado no item anterior;

V – no caso de Universidades e Fundações pela apresentação dos Estatutos pelos quais se positive que as mesmas estão capacitadas e autorizadas a executar o serviço, bem como pela demonstração dos recursos o serviço, tem como pela demonstração dos recursos próprios de que dispõem para atender às despesas de instalação, operação e manutenção do serviço.

Art. 4° - Os recursos mencionados no Artigo anterior deverão corresponder ao custeio dos equipamentos, instalações, manutenção e operação do serviço, conforme orçamento expedido por firma especializada.

Art. 5º - As entidades concessionárias dos serviços de televisão deverão incluir em sua documentação, fotocópia do título de licença da operação e prova de quitação com o FISTEL, imposto de renda, Fazenda Nacional e órgãos de Previdência Social.

Art. 6° - Uma vez aprovada a documentação prevista no capítulo III, Art. 3°, letra “a” instruída de acordo com o Art. 28°, o DENTEL expedirá a portaria de outorga.

§ 1° - A aprovação do projeto de enlace de repetidoras será feita através de uma única outorga.

§ 2° - A aprovação do projeto de serviço de retransmissão local poderá ser feita, também, através de uma única portaria, ainda que, o projeto proponha várias estações retransmissoras ou sub-retransmissoras.

Art. 7° - A interessada deverá iniciar a execução do serviço no prazo de 24 meses, contado da data da publicação da portaria a que se refere o artigo anterior, sob pena de revogação da autorização.

Art. 8° - Concluída, mesmo parcialmente, a instalação dos equipamentos, a interessada deverá comunicar previamente ao DENTEL, o início de funcionamento em caráter experimental, o qual poderá estender-se pelo prazo de 90 (noventa) dias.

Art. 9° - Desde que esteja em condições normais de funcionamento, a interessada deverá enviar ao DENTEL, laudo de vistoria das instalações, segundo modelo expedido pelo DENTEL, assinado por Engenheiro registrado nesse Órgão. Deverá ainda, nessa ocasião, requerer ao DENTEL a vistoria das instalações, para autorização definitiva.

Parágrafo Único – Informado pelo laudo, da conformidade das instalações com o projeto aprovado, o DENTEL expedirá licença provisória de funcionamento, a ser convertida em definitiva, tão logo seja realizada a vistoria pela fiscalização desse Órgão.

Art. 10° – A não apresentação do laudo ou do pedido de vistoria a que se refere o Art. 9° dentro do prazo previsto no Art. 7°, acarretará a revogação da autorização, sem que assista à interessada direito a qualquer indenização.

CAPÍTULO IV

Das Condições de Funcionamento

Art. 11° - As estações retransmissoras e sub-retransmissoras não poderão gerar qualquer modulação, além do sinal de identificação.

Art. 12º - É proibida a retransmissão da televisão fora da canalização prevista para o serviço de televisão, devendo nela serem utilizados, em princípio, os canais de VHF e UHF distribuídos para a localidade pelo Plano Básico de Distribuição de Canais de Televisão.

Parágrafo Único – Caso na localidade não haja canal disponível a interessada poderá ser autorizada a operar em outro canal VHF ou UHF tecnicamente compatível para o serviço.

Art. 13º - A outorga perderá direito ao uso do canal quando vier a ser instalada, na mesma localidade, estação geradora utilizando o canal que vinha sendo operado por aquela.

Parágrafo Único – Na hipótese do presente artigo, a outorgada poderá ser autorizada a transferir-se para outro canal tecnicamente compatível.

Art, 14º - A retransmissão de televisão poderá ser executada por uma das seguintes formas:

a) retransmissão do sinal transportado através dos enlaces de micro-ondas dos sistemas integrados operadoras pelas entidades concessionárias dos serviços de telefonia interurbana.

b) Retransmissão do sinal-transportado através de enlaces de repetidoras em micro-ondas, nas faixas destinadas aos Serviços Auxiliares de Radiodifusão de Som e Imagem, ou nos canais 60 a 83 inclusive, da faixa de televisão UHF, que serão destinados para esse fim;

c) Retransmissão do sinal diretamente captado da estação geradora ou de outra retransmissora.

Art. 15° - É vedada a retransmissão dos sinais captados de uma sub-retranmissora.

Art. 16º - No caso em que o número de estações repetidoras for superior a 5 (cinco) será exigido o reprocessamento do sinal de vídeo, com regeneração dos pulsos de sincronismo.

Art. 17º - Nos enlaces de repetidores deverão ser utilizadas antenas de alta diretividade, com o objetivo de evitar possíveis interferências.

Art. 18º A instalação, operação e manutenção dos enlaces de repetidoras, enquadrados na letra “b” do Art. 14º serão de responsabilidade total das entidades proprietárias dos mesmos.

Art. 19º - As retransmissoras que utilizarem canais previstos para a localidade pelo Plano Básico de Distribuição de Canais de Televisão deverão realizar a cobertura da zona urbana, adiante definida, com um sinal mínimo F(50,50) de:

Canais 2 a 6            - 68 dBu

Canais 7 a 13         - 71 dBu

Canais de UHF       - 74 dBu

Parágrafo Único – A zona urbana corresponde à área da cidade que abrange 90% da população urbana.

Para esse cálculo serão sempre considerados os dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para o recenseamento mais atualizado à época da pretensão.

A população abrangida pela região urbana deverá ser fornecida pela Prefeitura local, mediante comprovação.

Art. 20º - Para o caso de retransmissoras que não se enquadrarem no Artigo anterior deverá ser apresentado no projeto e comprovação de que não haverá interferências prejudiciais, segundo as normas vigentes, às emissoras regularmente autorizadas ou àquelas previstas no Plano Básico de Distribuição de Canais de Televisão.

Art. 21º - Em princípio, as potências ERP permitidas para as estações sub-retransmissoras estão abaixo assinaladas. Os casos excepcionais deverão ser julgados pelo interessado.

Canais 2 a 6 -         10 W

Canais 7 a 13 -       30 W

Canais UHF -         30 W

§1º - Tais valores se relacionam com uma antena situada a uma altura de 150 m acima do nível médio do terreno.

Para valores diferentes do especificado deverá ser feita a correção correspondente visando manter a mesma área de cobertura.

§2° - As sub-retransmissoras destinam-se à retransmissão dos sinais de televisão em condições excepcionais, tai como:

a) em área de sombra localizadas no interior da área de serviço das estações geradoras, devido a condições peculiares do terreno;

b) em localidades vizinhas a estações geradoras ou retransmissoras para as quais não compensem investimentos de enlace de repetidoras.

CAPÍTULO V

Do projeto Técnico

Art. 22º - Serão considerados 2 tipos de projetos:

a) Enlace de Repetidoras;

b) Serviço de Retransmissão Local.

Art. 23º - As empresas concessionárias que desejarem retransmitir seus próprios programas através de enlace de repetidoras de sua propriedade poderão apresentar simultaneamente ao DENTEL, ambos os projetos assinalados no artigo anterior, quando for o caso.

Art. 24° - As demais interessadas constantes do Art. 2º destas Normas deverão apresentar ao DENTEL o projeto referente ao serviço de retransmissão local e, quando for o caso, o projeto de enlace de repetidoras.

§1º - Essas interessadas, quando da apresentação do projeto de serviço de retransmissão local, deverão anexar, quando for o caso, declaração da entidade proprietária do enlace de repetidoras, já aprovado, comprovando a compatibilidade de utilização desse mesmo enlace.

§2° - Quando a entidade proprietária do enlace de repetidora não for geradora, deverá ainda constar uma declaração das geradoras semelhante à prevista no parágrafo anterior.

Art. 25º - Quando o projeto de enlace de repetidoras for da competência das interessadas a que se refere o Art. 24º, deverão as mesmas anexar declaração das geradoras, comprovando que o mesmo atende às exigências do Art. 28°.

Art. 26° - O nível do sinal de vídeo recebido para repetição ou retransmissão deve ser tal que, na entrada do conversor, a relação entre a potência pico da portadora e a potência média do ruído, não seja inferior a 40 dB, considerando-se os ruídos introduzidos pelas repetidoras anteriores.

Parágrafo único – Esse requisito deverá ser alcançado, no caso de contribuição de ruído ser a mesma em cada lance, obtendo-se no caso de contribuição de ruído ser a mesma em cada lance, obtendo-se em cada lace a partir da geradora uma relação portadora-ruído de RPR = 40 + 10 log10 N, em dB, onde N é o número total de lances da rota.

Art. 27º - Para verificar se a exigência do artigo anterior é satisfeita, deve-se seguir o procedimento abaixo indicado:

a) A potência recebida (PR), na entrada do conversor será obtida através da seguinte expressão:

PR = PT + GT + GR – A – 10, na qual

PR = Potência do sinal na entrada do conversor em dBW

PT = Potência de pico do transmissor considerado em dBW

GT = Ganho da antena transmissora na direção considerada em dB

GR = Ganho da antena receptora na direção considerada em dB

A = Atenuação total relativa ao percurso entre as antenas, linhas de RF e divisores de potência

10 = Margem de desvanecimento em dB

dBW = decibéis em relação a 1W

b) A potência média do ruído (R) na entrada do receptor será calculada através da seguinte expressão:

c) R = - 144 + FdB + 10 log10 BMHz na qual

R = Potência média do ruído na entrada do receptor em dBW

FdB = Fator (ou figura) de ruído do conversor em dBW

BMHz = Largura de banda do canal de RF do conversor entre pontos de 3 dB, em MHz.

d) A relação portadora / ruído (RPR) na entrada do conversor será calculada utilizando-se os resultados de a) e b):

RPR = PR – R (dB)

CAPÍTULO VI

Do Roteiro

Art. 28º  - Os interessados na execução do serviço de retransmissão local ou na repetição de sinais de televisão deverão requerer autorização ao DENTEL, instruindo seus projetos de acordo com os itens abaixo, conforme o caso:

a) Localização geográfica dos sistemas irradiantes;

b) Canais e frequências de operação;

c) Potências de transmissão;

d) Características dos sistemas irradiantes;

e) Equipamentos a serem utilizados, indicando a portaria de homologação do DENTEL; caso de equipamentos estrangeiros anexar cópia do documento de homologação passado pelo organismo de telecomunicações do país de origem;

f) Torres-características;

g) Perfil do terreno para cada lace (exceto para o caso de estações retransmissoras);

h) Diagramas de cobertura (exceto para enlace de repetidoras);

i) Resultado dos cálculos previstos no Capítulo V, para cada lace (exceto para o caso de estações retransmissoras e sub-retransmissoras);

j) Carta geográfica em escala conveniente, onde deverão ser assinaladas:

1) As diversas estações repetidoras propostas ao longo da reta ou a localização das estações retransmissoras ou sub-retransmissoras, conforme o caso.

2) Pistas dos aeroportos existentes na localidade.

O local da antena deve ser previamente submetido à aprovação da Diretoria de Rotas Aéreas do Ministério da Aeronáutica, segundo a legislação em vigor.

3) Estações de recepção e transmissão da ECT, Ministérios Militares, e outras estações autorizadas situadas a uma distância inferior a 500 metros da estação considerada.

4) Rotas de enlaces de VHF, UHF e micro-ondas referentes a serviços autorizados existentes na região, indicando as frequências de operação das mesmas.

Parágrafo único – Quando o diagrama de irradiação horizontal das estações retransmissoras ou sub-retransmissoras for diretivo o cálculo do nível médio do terreno deverá levar em consideração somente a área de interesse. Nesses casos as radiais deverão ser traçadas de 30° em 30 °.

CAPÍTULO VII
Das Disposições Finais

Art. 29° - Aos enlaces de repetidoras e serviços de retransmissão local, previstos nestas Normas, aplica-se, no que couber, o disposto no Art. 22 do Decreto nº 52.795, de 31 de outubro de 1963 e no Decreto-Lei nº 236, de 28 de fevereiro de 1967.

Art. 30° - Os atuais e autorizados enlaces de repetidoras e serviços de retransmissão local terão suas autorizações mantidas pelo prazo máximo de 2 (dois) anos, a contar da publicação da portaria que aprovar a presente, dentro do qual deverão adaptar-se às disposições destas Normas.

Parágrafo único – Qualquer modificação pleiteada para esses enlaces ou serviços, antes de vencer o prazo previsto neste artigo, deverá também estar enquadrada nas disposições das presentes Normas.,

Art. 31º - Os enlaces de repetidoras e os serviços de retransmissão local atualmente existentes deverão adaptar-se às disposições destas Normas, no prazo máximo de 2 (dois) anos, contado da publicação da portaria que aprovar as presentes.

Nós protegemos seus dados

Saiba como usamos seus dados em nosso Aviso de Privacidade. Ao clicar em “Aceitar”, você concorda com os Termos de Serviço e a Política de Privacidade da Anatel.